sábado, 24 de dezembro de 2016

O que vai volta

É engraçado, eu guardo muita coisa, mas não como bagagem ou carga emocional em si, mas eu acabo guardando muitas das coisas que as pessoas me falam e me fazem, não para poder confrontá-las no futuro e sim 'para futura referência'.

Não considero que isso seja uma forma de guardar rancor, é apenas uma forma de poder pesar um pouco meus atos, afinal, sou alguém bastante impulsivo, embora muitas vezes tente me controlar, sei que boa parte das minhas decisões e escolhas são baseadas na aversão à pressão de escolher.

Sendo assim, eu tento reunir todas as informações possíveis para formular uma opinião ou decidir minha posição diante de várias coisas, o que acaba dando a impressão de que eu realmente guarde rancor de algumas pessoas.



Minha sensibilidade tem mais a ver com atitudes do que com palavras, mas isso não quer dizer que odiarei uma pessoa 'do nada', porém, em algumas situações eu acabo medindo 'o nível de comprometimento' das pessoas nas relações e consequentemente o grau de envolvimento que posso manter com elas, por exemplo:

"Tem dias em que você está com sérios problemas, mas alguém te manda uma mensagem dizendo que precisa de ajuda, então, você deixa de lado seus afazeres e tenta dar uma palavra de incentivo à pessoa ou até mesmo ajudá-la a resolver o problema, em contrapartida, quando você recorre à mesma pessoa para pedir ajuda, ela nunca está disponível, pois mesmo em 'tempos calmos' fica a sensação de que é difícil a pessoa tirar alguns minutos para pelo menos passar uma palavra de conforto."

É sentimentalismo puro, mas minha mente funciona assim: se eu 'conheço' a vida de alguém e peço ajuda quando sei que tudo está calmo e a pessoa não tem a mesma disponibilidade de quando ela está com problemas, simplesmente o meu 'nível de auxílio' se torna proporcional ao que a pessoa me oferece.

Entretanto, existem pessoas que você sabe que estão rodeadas de problemas mas que sempre têm um momento para ajudar, embora seja evidente que cada qual tenha o seu modo de lidar e resolver os problemas, é preciso que haja um equilíbrio, pois de nada adianta você só se fazer presente para pedir ajuda.

p.s.: Não é um fato específico, apenas um compilado de situações.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

"O melhor"

Se você quiser meu mal, torcerei para que você encontre a paz
Se você não quiser falar comigo, respeitarei seu silêncio
Se você quiser me machucar, ficarei esperando você se curar
Quando quiser me abraçar, te darei o abraço mais apertado que puder
Quando quiser chorar, secarei suas lágrimas e direi: 'estou aqui!'
Se quiser ir embora, não vou te impedir
Se não quiser me ver, você não mais me verá
Isso porquê a gente dá o que tem de melhor
Mesmo quando não nos oferecem "o melhor"
Alguns chamam isso de "burrice"
Eu prefiro chamar de "amor"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...